Tech Info

Como Redirecionar Portas de Host Windows Para VMware Workstation Usando NAT

No meu caso, que usei como exemplo para essa postagem, precisava que o cliente conseguisse acessar da internet através de Remote Desktop, uma vmware dentro de um host, que foi criada com rede Nat. Como a rede Nat possui diversas VMs que conversam entre si, e o host é um server dedicado em nuvem, Bridge não era uma opção.

Seguem então os passos para ajudar aqueles com necessidade similar ao que eu tinha. Não encontrei essa solução em nenhum outro forum, em português ou Inglês.

Primeiramente, caso já não possua, crie uma rede virtual:

-Edit -> Virtual Network Editor -> Add Network
-Defina faixa de IP e renomeie se quiser, defina também a faixa de distribuição de IPs dentro de DHCP Settings

Se quiser reservar os IPs das máquinas virtuais ao invés de colocar IP fixo nas máquinas, vá em:
C:\ProgramData\vmware e abra o arquivo vmnetdhcp.conf com o notepad (Elevado como Admin). Você deverá localizar a parte que mostra os dados da rede Nat que criou, e adicionar antes do END dessa parte conforme o modelo abaixo (Mude o nome do Host, MAC, e o IP conforme sua realidade):

host NOMEDOHOST {
hardware ethernet 00:00:00:00:00:00;
fixed-address 192.168.10.102;
}

Após as alterações de DHCP, salve o arquivo e reinicie o serviço de vmdhcp no host. Talvez precise desativar a placa de rede na vm e ativar novamente ou reiniciar a vm.

Para encaminhar a porta será preciso completar etapas no Host Windows e depois no vmware workstation (E também na VM caso já não esteja liberado).

No exemplo abaixo, a vmware possui uma rede 192.168.10.0 e o gateway dessa rede é o 192.168.10.1. Nosso objetivo é encaminhar solitações de RDP de fora (Internet) para dentro da VM de IP 192.168.10.102. Nosso host possui um IP público voltado para a internet. Caso sua máquina não tenha, deverá encaminhar também no roteador a porta abaixo apontando para o IP do Host.

Ainda para este exemplo, escolhi a porta 9102, que será posteriormente encaminhada para o RDP 3389 no destino final. Na documentação da Vmware indica que o correto seria encaminhar a solicitação primeiro para o Gateway do Nat da Vmware e de lá redirecionar para dentro da vm na porta correta.

VAMOS ENTÃO AO HOST:

Abra o Promp do DOS como administrador e digite conforme abaixo, alterando porta e IP conforme sua realidade (Comando de uma única linha):

netsh interface portproxy add v4tov4 listenport=9102 connectaddress=192.168.10.1 connectport=9102 protocol=tcp

Para verificar se o comando foi bem sucedido digite conforme abaixo, e será mostrada a(s) porta(s) redirecionadas no windows:

netsh interface portproxy show all

Caso cometa um equívoco e precise deletar o comando, ou simplesmente queira desfazer o redirecionamento, digite o comando abaixo no prompt, também adequando a porta à sua realidade:

netsh interface portproxy delete v4tov4 listenport=9102

Agora é preciso liberar essa porta encaminhada no firewall do Host. Abra o firewall do windows e crie uma regra TCP e outra UDP (Ou conforme sua realidade) permitindo o acesso de todos com destino à essa porta.

AGORA VAMOS À VM:

Existem duas formas de se fazer isso no Vmware. A primeira é mais fácil, contudo, se você tiver feito reservas no DHCP como eu fiz, ou qualquer modificação manual no arquivo do DHCP, provavelmente após aplicar as regras de rede o vmware irá sobrescrever o arquivo e você vai ter que fazer de novo. Descobri isso da pior maneira e por isso deixo o alerta. Se for fazer dessa forma, copie o arquivo conf do dhcp para um local seguro antes e depois substitua o que o vmware criar pelo seu.

FORMA 1:

Abra novamente o Virtual Network Editor, clique na rede NAT que pretende editar e depois clique em Nat Settings. Localize a caixa que diz Port Forwarding e clique em Add.

-Em host port digite a porta que liberamos no firewall e encaminhamos no windows (Nesse exemplo 9102)
-Em virtual machine IP address, digite o endereço IP da vm de destino
-Em virtual machine port, digite a porta de destino do serviço a ser encaminhado, nesse caso 3389 pois é o RDP
-Em description, adicione uma descrição se assim desejar.
-Clique em OK, OK novamente e Apply.

Lembre-se se do arquivo dhcp conf, caso tenha alguma modificação no seu. Você terá que voltar do backup pra pasta do vmware em programdata.

FORMA 2

Abra C:\ProgramData e localize o arquivo vmnetnat.conf. Abra o notepad como administrador, abra o arquivo e siga os passos abaixo:

Adicione a linha abaixo conforme o exemplo abaixo em qualquer local em branco do arquivo, alterando conforme sua necessidade:

9102 = 192.168.10.102:3389

Feito isso, localize o serviço vmware nat service dentro dos serviços do windows e reinicie o mesmo. Desta segunda maneira o arquivo conf do dhcp não é alterado.

DENTRO DA VM

-Se a sua intenção é encaminhar o RDP, habilite o remote destop dentro de propriedades do computador, guia de conexões remotas
-Verifique se o serviço está liberado no firewall, tanto para conexões de domínio quanto públicas

Para testar o acesso de dentro do host, vá em iniciar, executar e digite MSTSC e aperte enter. No campo do endereço digite o IP do gateway vmware (No meu caso 192.168.10.1) seguido de dois pontos e a porta de origem. No meu caso ficou assim:

192.168.10.1:9102

Caso a conexão seja bem sucedida, podemos ir para o próximo passo.

ATENÇÃO: Caso não a conexão não seja bem sucedida, vá em iniciar, executar, digite services.msc, aperte enter e procure um serviço chamado Vmware Nat Service. Caso ele não esteja rodando, tente iniciar. Se receber um erro, de acordo com a documentação da vmware, é porque você escolheu uma porta já em uso pela vmware ou host. Experimente excluir o encaminhamento criado e iniciar o serviço. Se iniciar então é esse mesmo o motivo. Você terá que repetir todos os passos acima, mas trocando para outra porta.

Uma vez bem sucedido o primeiro teste, fazendo RDP de dentro do host, vá em outra máquina, abra o MSTSC e digite o IP da máquina host, seguida de :9102 ou outra porta que tenha usado. Apenas como exemplo se o ip da máquina fosse 5.5.5.5 você digitaria 5.5.5.5:9102

Espero que isso resolva o seu problema, tive um trabalhão e bati bastante cabeça para descobrir!

Um abraço!

Força aérea americana compra 2 mil PS3 e vai rodar Linux neles

A força aérea dos EUA comprou 2.200 PlayStation 3 para reforçar seu supercomputador baseado no chip do console.

Segundo o Register Hardware, o centro de processamento conta atualmente com 336 consoles conectados via cabos RJ45 a um hub Gigabit Ethernet.

O supercomputador tem como funções principais a execução de testes para o processamento de imagens de radar em alta resolução O projeto é conhecido como Back Projection Synthetic Aperture Radar Imager.

Para rodar o sistema, a força aérea utiliza uma distribuição própria de Linux que controla todas as máquinas.

Para saber mais sobre o Projeto, acesse o site AQUI.

Fonte: Blog do Lopez

SIGNATURE

Enviar por Email

iPhones desbloqueados são vulneráveis a novo vírus

Hackers criaram um vírus que ataca o iPhone ao secretamente tomar controle do aparelho através de conexão com a Internet, afirmaram especialistas em segurança.

O vírus foi detectado na Holanda e só ataca iPhones que tiveram funções de segurança pré-instaladas desconfiguradas por seus usuários, segundo analistas que monitoram a evolução do vírus, conhecido como Duh Worm.

Os hackers tentam usar o vírus para conseguir senhas para sites bancários na Holanda, de acordo com Graham Cluley, pesquisador da produtora de software antivírus Sophos. Quando o usuário de um iPhone tenta acessar um site de banco, o Duh Worm direciona o browser para uma página parecida controlada pelos hackers, disse Cluley.

Os aparelhos vulneráveis tiveram suas funções de segurança desconfiguradas por seus usuários para driblar termos de contrato de uso do aparelho.

Por exemplo, a Apple impede que usuários troquem de operadora para uma não-autorizada e limita a 100 mil o número de programas que podem ser instalados no aparelho. Há milhares de programas não-autorizados em diversas áreas, que incluem ligações pela Internet, acesso WiFi e pornografia.

“A grande maioria dos consumidores não desconfiguram seus iPhones, e têm razão. Esse tipo de medida não viola apenas a garantia do aparelho como também causa instabilidade no iPhone e faz com que ele não funcione corretamente”, disse a porta-voz da Apple, Natalie Harrison.

SIGNATURE

Enviar por Email

Burger King cria hambúrguer de 7 andares para Windows

 

Enquanto a fundação de Bill Gates tenta combater a fome na África, o marketing de Steve Ballmer promove a gordura no Japão.

Uma parceria entre a Microsoft e o Burger King fez filiais da lanchonete em terras asiáticas vender uma versão do Whopper com sete andares de carne! No vídeo acima, um animado analista a Microsoft encara a calórica missão sob aplausos dos colegas.

Ainda bem que não criaram uma campanha assim na estreia do Vista. Pelo peso do sistema operacional, seriam necessários uns 12 hambúrgueres para bem representar a versão.

Fonte: Info

Agradecimentos ao Bruno Lopes que deu a dica da matéria.

SIGNATURE

  Enviar por Email

Linus Torvalds é flagrado com Windows 7

O criador do Linux, Linus Torvalds, deixou-se fotografar em um quiosque promocional do Windows 7 em Tóquio com um sorriso no rosto e um sinal de positivo na mão direita.

linus-torvalds-windows-7

Torvalds no Japão: um sorriso para o Windows 7

Torvalds está na capital japonesa para participar de um simpósio sobre software livre. No dia do lançamento do Windows 7, a cidade estava tomada de publicidade do novo sistema operacional e o linuxista não resistiu a uma irônica foto ao lado de uma revenda da Microsoft.

A imagem foi feita em frente a Yodobaiashi Camera, uma das mais populares redes de eletrônicos no Japão. 

Para os linuxistas que acompanhavam Torvalds na Ásia, o criador do Linux foi clicado em um “momento de bom humor”. 

“A Microsoft tentou prejudicar o encontro de software livre em Tóquio marcando a estreia do Windows 7 para o mesmo dia, mas não conseguiu”, disse Chis Hlaeger, dono do álbum no Picasa que divulgou a imagem para o mundo. 

O fotógrafo divulgou ainda que, após a foto, Torvalds deixou a loja sem comprar nada. Além da imagem irônica de Torvalds, os japoneses contaram com uma edição especial de hamburguer no Burger King para “festejar” a chegada do Seven. No país, as lojas serviram lanches com sete hamburgueres.

Fonte: Info

Agradecimentos ao Bruno Lopes que deu a dica da matéria.

SIGNATURE

 

Enviar por Email

Cilindro futurista exibe imagens 3D em 360º

Sony apresentou protótipo nesta quinta-feira (22), em Tóquio.
Novidade pode ser usada como ferramenta para sinalização digital.
 

Protótipo foi apresentado nesta quinta-feira (22), em Tóquio, no evento Digital Contents Expo. Eletrônico exibe imagens coloridas, em 3D, em 360º. Segundo a empresa, novidade sem data para lançamento pode ser usada para sinalização digital em eventos, por exemplo.

Protótipo foi apresentado nesta quinta-feira (22), em Tóquio, no evento Digital Contents Expo. Eletrônico exibe imagens coloridas, em 3D, em 360º. Segundo a empresa, novidade sem data para lançamento pode ser usada para sinalização digital em eventos, por exemplo.

 SIGNATURE

Enviar por Email

Windows 7 é mais popular do que Harry Potter no Reino Unido

seven3

O Windows 7 bateu o bruxinho Harry Potter ao se tornar o produto em pré-venda que teve mais unidades vendidas na história do Reino Unido, de acordo com a unidade da Amazon na terra da Rainha Elizabeth. O novo sistema operacional da Microsoft foi lançado oficialmente nesta quinta-feira (22).

Ainda segundo a gigante de varejo, o novo sistema operacional vendeu mais cópias nas primeiras oito horas de seu lançamento em julho do que o Vista em todo o seu período de pré-venda.

“O lançamento do Windows 7 superou as expectativas de todos, tomando o lugar de ‘Harry Potter e as Relíquias da Morte’ como o produto com o maior número de vendas de um produto em pré-venda de todos os tempos na Amazon.co.uk, e a demanda continua forte”, disse o diretor da unidade britânica da Amazon, Brian McBride, ao “TG Daily”.

Fonte: G1 Tecnologia

SIGNATURE

 

Enviar por Email

5 razões para migrar (ou não) para Windows 7

windows-7-ferrari1

O Windows 7 chega às lojas nesta quinta-feira. Conheça cinco razões para adotar o novo sistema operacional e cinco para ficar longe dele.

Cinco razões para migrar

1. A interface é melhor
Há muitos melhoramentos na interface gráfica do sistema. Um exemplo: como no Vista, ao pressionar Alt + Tab, são exibidas miniaturas dos aplicativos. No entanto, no Windows 7, posicionando o mouse sobre uma delas, a tela é mostrada em tamanho natural. Outra novidade: com o mouse, basta arrastar uma janela para um dos lados para que ela assuma o tamanho equivalente a metade da tela. Mas o melhor mesmo são os novos atalhos de teclado, como Windows + seta abaixo para minimizar a janela.

2. É mais rápido
Os testes do INFOLAB apontaram que, em média, o Windows 7 é 14% mais veloz que o Vista e tem desempenho próximo ao do XP. O Windows 7 é mais veloz que o Vista em operações que envolvem música, imagens, comunicações e filmes. Perde por pouco em jogos e em aplicativos para escritórios.

3. Configurar a rede é fácil
A configuração de uma rede doméstica é mais simples no Windows 7. O sistema oferece a opção de colocar o micro num grupo de trabalho pré-configurado, o HomeGroup. Se esse grupo ainda não existir na rede, ele é criado. Qualquer usuário da máquina passa, então, a ter acesso imediato aos recursos da rede.

4. As bibliotecas ajudam
Quase ninguém usa o recurso de pastas virtuais no Vista. Mas a nova versão, chamada biblioteca, é muito melhor. Ela facilita, por exemplo, o compartilhamento de arquivos na rede. No Windows 7, basta compartilhar uma biblioteca para que os arquivos listados nela tornem-se disponíveis para outros usuários. E esses arquivos não precisam estar na mesma pasta física.

5. A segurança é sensata
Aqueles avisos de segurança chatos do Windows Vista se reduziram bastante no Windows 7. E um novo ajuste permite suprimi-los quase totalmente apenas arrastando um controle com o mouse. Ficaram os recursos que realmente contribuem para a segurança do computador.

Cinco razões para não migrar

1. O netbook fica mais lento
O INFOLAB verificou que um netbook com 1 GB de memória fica, em média, 11% mais lento com Windows 7 que com XP. Aumentando a memória para 2 GB, a diferença diminui para 9%, ainda a favor do XP. Ou seja, o Windows 7 moderniza o netbook, mas piora o desempenho dele.

2. A partida demora mais
O Windows 7 é rápido ao reativar o micro quando ele está dormindo. Também consegue desligar a máquina em metade do tempo gasto pelo Vista. No entanto, a partida no PC quando ele é ligado foi, em testes do INFOLAB, 17% mais demorada com Windows 7 que com o Vista.

3. Nem tudo é compatível
Se o micro tem algum item de hardware não compatível com o Vista, é quase certo que ele também não vá funcionar com Windows 7. O modo XP, presente nas edições Professional e Ultimate do Windows 7, resolve problemas de compatibilidade com aplicativos. Mas não soluciona todas as falhas que envolvem hardware.

4. A migração pode ser trabalhosa
Quando o micro roda o Vista, é possível migrar para uma edição equivalente ou mais completa do Windows 7 sem reinstalar aplicativos. Mas há muitas situações em que isso não é possível. Alguns exemplos são quando o sistema atual é o XP, quando se muda de 32 para 64 bits e quando se passa do Vista Business para uma das edições Home. Nesses casos, é preciso fazer backup dos arquivos pessoais, formatar o disco e reinstalar tudo do zero, um processo trabalhoso e demorado.

5. O software é caro
Imagine alguém que, dois anos atrás, comprou um micro com Vista Home Premium por 1 500 reais. Esse micro vale, hoje, menos de mil reais. Considerando o preço sugerido pela Microsoft, migrar para o Windows 7 Home Premium custa 399 reais, 40% do valor do micro. Dependendo do usuário e do computador, pode não valer a pena.

Fonte: Info

Agradecimentos ao colega Bruno Lopes pela dica da matéria.

SIGNATURE

Enviar por Email

Finlândia torna banda larga “direito fundamental” do cidadão

 data

A Finlândia, terra da Nokia, de Linus Torvalds e um dos países mais conectados da Europa, aprovou legislação que considera o acesso à internet através de uma conexão de banda larga de pelo menos 1 Mb/s um direito fundamental de todo o cidadão. 

Segundo Harri Pursiainen, secretário do ministério finlandês dos transportes e comunicação, “conexões de dados não são apenas entretenimento, mas uma necessidade”.

A decisão é apenas o primeiro passo em um plano mais ambicioso: a meta do governo é que, em 2015, nenhum cidadão finlandês viva a mais de 2 km de um ponto de conexão capaz de trafegar dados a 100 Mb/s. A estimativa é que, até lá, os habitantes de Helsinki, a capital, tenham acesso a conexões domésticas na casa dos gigabits.

Dados recentes do governo finlandês estimam que, em meados de 2008, 83% da população (de cerca de 5.3 milhões de habitantes) entre os 16 e 74 anos utilizava a internet, sendo que 80% deste total acessavam a rede diariamente. Ainda de acordo com o governo, haviam 6.9 milhões linhas de telefonia celular em operação, e 2.1 milhões de usuários assinantes de serviços de conexão à internet via banda larga.

Além da Finlândia a Estônia, França e Grécia são países que consideram o acesso à internet, e consequentemente à informação, como um direito fundamental de sua população.

Fonte: Geek

SIGNATURE

 

Enviar por Email

Governo de SP lança programa de banda larga por até R$ 29

serra 

O governo dos Estado de São Paulo lançou nesta quinta-feira o Programa Banda Larga Popular, que permitirá acesso rápido à internet por no máximo R$ 29,80 por mês. Esse valor será possível graças à redução de 25% para zero do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) cobrado no serviço.

O programa estará disponível apenas para pessoas físicas e, segundo o governo de São Paulo, irá beneficiar especialmente a população de baixa renda. O usuário do pacote popular terá direito a um modem, instalação e serviços de provedor de internet com velocidade entre 200 Kbps e 1 Mbps.

Até o momento, a Telefônica é a única parceira do governo de São Paulo no programa. O anúncio ocorre em meio a estudos no governo federal para a criação de um programa nacional de universalização da banda larga.

O mercado potencial, segundo o governador José Serra, abrange 2,5 milhões de residências. Desse universo, cerca de 690 mil casas possuem computador sem internet e o restante tem conexão discada.

“Pelo menos metade, é a nossa estimativa, vai se integrar à banda larga subsidiada”, disse Serra, nesta quinta-feira, durante assinatura do decreto criando o programa, durante a feira de telecomunicações Futurecom.

Os interessados deverão procurar a operadora de telefonia que ofereça o serviço de acesso à internet em banda larga de acordo com o programa, por enquanto somente a Telefônica. Segundo o decreto, é possível a instalação de apenas um contrato por CPF e por endereço.

Não haverá taxa de habilitação, nem multa de cancelamento para quem estiver no programa, mas a reinstalação do serviço se solicitada antes de 12 meses após o desligamento custará até R$ 100. Além disso, a migração de outro serviço para a banda larga popular pode obrigar o desembolso de até R$ 100.

Serra disse que outras empresas poderão se juntar ao projeto, que por enquanto tem Telefônica como única parceira. No programa, a operadora se dispôs a reduzir o preço da banda larga oferecida dentro do plano para se chegar a um desconto total de cerca de 40% no valor cobrado do usuário final.

A arrecadação do governo de São Paulo com o ICMS cobrado do serviço de banda larga é de R$ 534 milhões. Serra vê pouco impacto na receita do Estado, já que o público-alvo do programa ainda não possui acesso rápido à internet.

O governo descarta migração maciça de clientes de planos de banda larga mais caros para o popular, o que implicaria em queda da arrecadação. O programa paulista foi aprovado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) e Serra acredita que outros Estados poderão adotar o mesmo modelo.

Considerando 1,25 milhão de adesões ao programa, a receita anual estimada com a banda larga popular seria de quase R$ 450 milhões para os prestadores do serviço.

Fonte: Invertia

Agradecimentos ao Bruno Lopes que enviou a notícia.

SIGNATURE

Enviar por Email