Tutoriais

How to Remove Skype for Business

Microsoft has announced in 2019 that they will completely discontinue Skype for Business until July 2021, replacing it by Teams once and for all (Read about it here). While this is probably great news for almost everyone, this can tunr into a big headache for many network administrators and support analysts out there.

Although Microsoft has its plans well defined, there is still no news of an official tool for removing Skype for Business in a silent, automated way, in bulk and without harming the other applications in the Office365 package.

I was asked in my company to then develop an automated silent way to remove skype, considering that I should complete this in the best possible way, covering both 32 and 64 bit versions.

After a lot of research on the internet, I could not find anything that was ready to go. If it exists it hasn’t been shared (yet), and that’s why I decided to get some hands on and get this done. Since I was successful I then decided to share my solution to help other colleagues.

Obs: I’ve tested this method inside my environment, using the latest Office365 x86 and x64 installs. If you want to test in your own environment, I suggest you do it on a testing machine or VM first to see how the script will behave in your reality. I will not be held responsible for unexpected or inappropriate results to the outcome of your trials.

Step 1:
Download the zipped folder with the necessary files here.
Step 2:
Copy the zipped folder over to the test machine and extract it. Then just double-click on the UninstallSkype.bat file present in that folder and wait for the removal to run. A command prompt window will open but all other commands will be running silently.

Suggestion:
You can encapsulate the files to run in SCCM, logon script, GPO, PSExec, etc. You just need to have the ability to adapt the script and tools to the reality of your environment.

That is all, I’ve shared everything the easiest and best way that I could think of, I hope this was helpfull to you.

Cheers!

Como Remover o Skype for Business

A Microsoft anunciou em 2019 que irá descontinuar por completo o Skype for Business até Julho de 2021, no intuito de dar exclusividade ao Teams (Leia aqui). Apesar de ser uma ótima notícia para o público em geral, isso pode significar dor de cabeça à vista para diversos administradores de redes e analistas de suporte por aí.

Por mais que a Microsoft tenha seus planos bem definidos, todavia não existe uma ferramenta oficial de remoção do Skype for Business de forma automatizada, em massa e sem prejudicar os demais aplicativos do pacote Office365.

Fui solicitado em minha empresa para desenvolver então uma forma automática e silenciosa para remover o programa, considerando que deveria concluir isso da melhor forma possível, abrangendo tanto as versões 32 quanto 64 bits.

Após muito pesquisar na internet, percebi que realmente não existe nada pronto. Se existe não foi compartilhado (ainda), e por isso resolvi por a mão na massa. Como obtive sucesso decidi compartilhar para ajudar outros colegas.

P.S.: Eu testei este método em meu ambiente, usando instalações x86 e x64 do Office365 mais recentes. Se quiser testar em seu ambiente, sugiro que o faça em uma máquina de testes antes pra ver como o script irá se comportar em sua realidade. Não me responsabilizo por resultados inesperados ou inadequados às suas pretensões.

Passo 1:

Baixe a pasta zipada com os arquivos necessários aqui.

Passo 2:

Copie a pasta zipada para a máquina de teste e extraia a mesma. Depois é só dar um duplo clique no arquivo UninstallSkype presente na pasta e aguardar a execução da remoção. Uma janela do prompt de comando será aberta mas todos os demais comandos são silenciosos.

Sugestão:

Você pode encapsular os arquivos para rodar no SCCM, script de logon, GPO, PSExec, etc. Basta que tenha habilidade em adaptar o script e as ferramentas para a realidade do seu ambiente.

No mais é isso, deixei tudo bem mastigado e o único trabalho que terão é baixar e descompactar a pasta.

Grande abraço e até a próxima!

Tutorial do Dia – Como testar se uma fonte está queimada?

Se o seu computador não liga, não pisca e nem dá sinal de vida, a probabilidade da fonte ter queimado é alta. Mas como testá-la? Com este artigo você aprenderá, e de forma bem simples!

Problemas com computadores acontecem. Por mais cuidadosos que nós sejamos com nossos preciosos e queridos equipamentos, a realidade é que dificilmente alguém escapará desta triste situação. Para alguns deles, existem apitos da placa mãe, para outros sinais e avisos na BIOS. Alguns componentes especiais hoje vêm equipados de fábrica até mesmo com LED indicadores numerados, bastando uma rápida consulta no manual.

Mas e quando você pressiona o botão de força e nada acontece (não há nenhum barulho, nem luz e nem ruídos dos discos rígidos, muito menos um drive de DVD trabalhando), o que fazer nesta hora tão desesperadora?

A primeira dica sempre é verificar os cabos e as suas respectivas conexões entre tomada e a fonte, pois em alguns casos de sobrecarga o equipamento corta o fornecimento de energia para o computador. Nessas situações o problema é resolvido rapidamente com a retirada e a reinserção do cabo de alimentação.

O problema é a falta de energia, mas não na tomada

Para outros modelos, existe também uma chave de liga/desliga na parte de trás, geralmente logo abaixo da ventoinha. Verifique-a em ambas as posições e tente ligar o computador.

Agora, se tudo está devidamente ligado e há energia passando pela tomada, uma das grandes possibilidades é a da sua fonte ter queimado. E para que você tenha certeza de que foi isso que aconteceu, o Blog do Luguta preparou algumas dicas e testes bem rápidos que podem ser realizados para você não ter que desmontar o PC, peça por peça, em busca de uma solução.

Pronto para colocar a suspeita em ação? Então vamos ao trabalho! E que fique bem claro: estes passos são válidos apenas para fontes do tipo ATX!

Abrindo o computador

O primeiro passo é abrir a lateral do computador com uma chave de fenda, de modo a garantir o acesso aos cabos e componentes. Basta retirar os três parafusos que ficam na parte de trás da porta lateral e puxá-la. Para conferir em mais detalhes como realizar a abertura correta do gabinete, não deixe de conferir nosso outro artigo da série de manutenção.

Parafusos que devem ser retirados do gabinete

Com a lateral retirada, comece a remover todos os cabos de alimentação que estão ligados aos componentes do computador, como discos rígidos, drives de DVD, ventoinhas e placa mãe.

Para o próximo passo, nós recomendamos que você remova totalmente a fonte do gabinete, de modo a evitar que algum cabo permaneça acidentalmente ligado a algum dos componentes internos.

Testando a fonte

Com a fonte livre, desconectada da tomada e de todas as partes do computador, localize o cabo de alimentação da placa mãe. Ele é o maior de todos, contando com vinte ou vinte e quatro pinos, de acordo com cada versão.

Pinos que devem ser ligados

Pegue um clipe de papel fino e metálico, sem pinturas e dobre-o de modo que ele fique com duas pontas paralelas para baixo. Outra alternativa é utilizar um fio metálico maleável, com as pontas desencapadas.

Com o cabo de alimentação da placa mãe em mãos, localize o terminal do fio verde e insira uma das pontas do clipe ou do fio (ele é responsável pela partida do computador quando o botão de energia é acionado). Logo ao lado deste terminal, deve haver também outro para o fio preto (GND). É nele que deve ser inserida a outra ponta do clipe. A esta altura seu conector da placa mãe deve estar exatamente assim:

Clip de papel inserido

Tudo certo? Então chegou a hora do teste! Cuidadosamente ligue o cabo de alimentação na tomada e depois na fonte. Caso as ventoinhas comecem a girar, você tem um indicativo de que a sua fonte está funcionando normalmente, logo dificilmente ela será uma das causas do computador não estar ligando.

Fonte funcionou?

Medindo adequadamente a tensão

E para as pessoas que possuem multímetros em suas casas, uma dica final (para os casos em que a fonte liga) é também conferir se a distribuição de tensão está correta nos cabos. Para isso, regule o aparelho para modo de alimentação contínua, pegue qualquer terminal preto do cabo da placa mãe e insira a ponta multi-teste preta (com a fonte ainda ligada pelo último teste).

Em seguida, procure pelo fio vermelho e ligue a outra ponta de testes nele. O valor mostrado no aparelho deve ser de 5V, com variação de 0,5V para mais ou para menos. Em seguida, repita o procedimento com o fio amarelo, mantendo a ponta preta no fio preto. A tensão mostrada deve ser de 12V, novamente com variação de 0,5V para mais ou para menos.

Medindo a tensão

Este procedimento também pode ser realizado com as pontas Molex (os encaixes para discos rígidos e outros periféricos, que contem quatro encaixes), valendo os mesmos procedimentos e valores descritos acima.

Xiiiiiiiiiii!! Não deu certo!

Se a sua fonte não deu nem sinal de vida com o teste proposto acima, é provável que ela esteja avariada. O custo do reparo varia também de acordo com a natureza do problema (se for só um fusível, você gastará centavos na troca), mas se você não entende de eletrônica o ideal é buscar a ajuda de um técnico especializado. Caso opte pela compra de uma fonte nova, leve sempre em consideração a necessidade de energia dos seus componentes para não comprar uma abaixo das especificações necessárias.

Soltar a sua fonte atual e substituí-la também é tarefa simples, bastando a remoção dos parafusos da parte de trás do gabinete e a substituição dos equipamentos. A colocação dos cabos e parafusos para o novo equipamento também deve ser bem similar.

E você, conseguiu solucionar o problema do seu computador? Não se esqueça de deixar o seu comentário e de dar sugestões.

Até a próxima e boa sorte com os reparos!

SIGNATURE

Enviar por Email

Tutorial do Dia – Windows 7: como definir programas como padrão

Confira mais esta dica para Windows 7 e abra arquivos com o programa de que você mais gosta.  

Que tal definir o programa que você quiser como padrão para cada extensão que você abre no seu Windows 7? Neste artigo vamos mostrar em detalhes como organizar este tipo de tarefa, facilitando ainda mais na hora de organizar seu novo Sistema Operacional.   

Configuração de Programa Padrão   

Para definir os programas padrão, o primeiro passo é clicar no botão Iniciar da Área de Trabalho e escolher a opção “Programas Padrão”. Ali você poderá escolher os programas que o Windows utilizará para abrir arquivos, extensões e protocolos definidos.   

Clique em Programas Padrão   

Na primeira opção, “Definir os programas padrão”, você pode escolher qualquer programa de sua lista e configurá-lo como aquele que abrirá todos os arquivos e protocolos que suporta. Usamos o Mozilla Firefox como exemplo, tornando-o padrão para navegar na internet.   

Entre em    

Neste caso, o Firefox abrirá todas as extensões e protocolos nos quais ele pode ser usado como padronização, como HTML ou HTM, comuns em páginas por aí. Clique em “Salvar” para confirmar as alterações.   

Escolha o programa e defina-o como o padrão para arquivos suportados   

Associe arquivos e protocolos a um programa   

Caso você procure uma solução mais pontual, em que cada protocolo ou arquivo é aberto por um programa específico, clique na segunda opção das configurações de programa padrão.   

Segunda opção para definição de programas padrão   

Neste caso você escolhe o programa específico para cada uma das extensões de arquivos que você utiliza no computador. Para modificar o protocolo FTP de internet, aberto pelo Firefox como padrão, é preciso apenas escolher a opção e clicar em “Alterar Programa” na parte superior da tela.   

Altere programa para configurações específicas   

Será aberta uma tela que normalmente você vê no Windows, porém não haverá a opção de clicar na caixa inferior, uma vez que a sua escolha é, de fato, tornar este programa como padrão para o protocolo ou arquivo a que se refere.   

Configure diretamente do arquivo   

Para configurar cada extensão diretamente do arquivo, clique com o botão direito do mouse no arquivo selecionado e escolha a opção “Abrir com”. A opção “Escolher programa padrão” modifica a abertura do arquivo.   

Abra diretamente no arquivo a ser modificado   

Neste caso você pode selecionar  a caixa na parte inferior da tela. Selecione esta opção para sempre abrir aquele tipo de arquivo com o programa selecionado.   

Associe sempre um arquivo a determinado programa   

Reprodução Automática   

O último passo para a configuração é na reprodução automática de arquivos de mídia, ou seja, CDs, DVDs e outros. Esta é a terceira opção na página de configurações de programa padrão.   

Terceira opção para configurar programas padrão   

Você terá várias opções para arquivos de mídia e pode escolher o que fazer com cada um deles: reproduzir automaticamente, abrir arquivos usando o Windows Explorer, executar com seu programa favorito ou mesmo não criar nenhuma ação. Não se esqueça de salvar para confirmar as modificações.   

Escolha a forma de reprodução automática em cada mídia   

SIGNATURE

 

Enviar por Email

 

Tutorial do Dia – Limpe e Otimize seu Computador

“A lentidão do seu sistema tem solução. Glary Utilities, um matador de arquivos desnecessários, é a resposta.”

Download do programa AQUI.

Você já deve ter notado que ao comprar um computador novo — ou após reinstalar o Windows —, o desempenho dele é surpreendentemente alto. Todavia, conforme o passar do tempo, é de se perceber que os programas já não são executados tão rapidamente quanto antes, o sistema passa a demorar um pouco mais a ser carregado e alguns sintomas de instabilidade acabam surgindo.

Para que essa queda de eficiência não ocorra, ou que seja a menos percebida possível, é necessária a realização de manutenções periódicas no sistema. Mas não pense que essa manutenção limita-se apenas a remoção de arquivos desnecessários! São vários os fatores que, de certa forma, contribuem para a famosa lentidão, tais como a fragmentação do registro do sistema, excesso de aplicações carregadas juntamente com o Windows e assim por diante.

Tendo em vista auxiliá-lo no ajuste desses itens, o Glary Utilities reúne todas as ferramentas  necessárias para minimizar os efeitos negativos gerados pelo uso constante do computador. Com visual agradável e interface intuitiva, o programa possibilita que qualquer usuário o utilize sem maiores dificuldades, desde que possua plena consciência do que irá fazer.

Limpeza

A primeira etapa a ser executada para começar a aperfeiçoar o PC é a remoção das coisas inúteis. Assim como um carro de corrida, devemos eliminar tudo o que é desnecessário em busca de um melhor desempenho. Em outras palavras: menor peso, maior velocidade. Para acessar essa função, basta clicar sobre o botão Limpar & Reparar.

Arquivos desnecessários

Estes são a parte grossa dos fatores que ocasionam a lentidão do sistema. Clicando na opção Selecionar Driver(s), você faz com que o Glary Utilities busque por arquivos que só estão ocupando espaço em disco, entre eles os temporários, os removidos para a lixeira e aqueles que não possuem sequer conteúdo, de tamanho zero. Em seguida, um relatório simplificado é exibido para que você fique a par do que está prestes a ser apagado do sistema.

Os arquivos temporários e os sem conteúdo, em especial, fornecem a opção de realizar uma cópia de segurança (backup) previamente à remoção e podem ser recuperados em Restaure, localizado na aba Mais opções. Também nesta aba, é possível remover componentes do Windows em desuso manualmente.

Limpando o registro

O uso contínuo do computador faz com que o registro do sistema fique abarrotado de entradas, principalmente se você gosta de instalar e desinstalar programas freqüentemente. Como consequência, a execução dos programas torna-se nitidamente mais demorada, muitas vezes chegando ao ponto de surgirem falhas e os famosos travamentos. A ação do Glary Utilities nesta área é simples: localizar e corrigir todas as entradas inválidas.

O registro do sistema é uma parte bastante delicada do computador. Portanto, só efetue os devidos ajustes se você estiver completamente certo do que está fazendo. Caso contrário, você poderá excluir valores importantes e inutilizar o sistema. Para sua segurança, um backup automático é criado antes de qualquer ação e se por ventura as alterações gerarem problemas em alguma aplicação, clique em Restaurar Registro para recuperar os dados.

Corrigindo atalhos

A opção Corrigir Atalhos é uma ferramenta muito útil para a remoção de atalhos do Menu Iniciar sem arquivos de referência ou vazios. Tal problema é gerado principalmente por desinstaladores ineficientes que não removem os atalhos criados na instalação dos seus respectivos softwares. Quando se tem muitos programas instalados no PC, vale a pena verificar se não há nada poluindo o seu menu de atalhos.

Desinstalando programas

Não há nenhuma novidade nesta função. Ela é apenas uma alternativa para o Adicionar e Remover Programas do Windows com algumas modificações sutis. Nela, basta identificar os programas que não são utilizados e desinstalá-los do computador. Caso o programa selecionado já tenha sido apagado, você pode excluir a entrada dele pelo botão Remover Entrada no alto da janela.

Otimização

A segunda parte da manutenção do computador está na otimização dos arquivos nele existentes. Essa melhora pode ser obtida através de pequenas mudanças que parecem sem importância, mas na realidade surtem grande efeito sobre o desempenho do sistema como um todo.

Inicialização do Windows

O problema mais comum encontrado em computadores com muitos programas é a demora para carregar o sistema. Isso ocorre devido a grande quantidade de aplicativos que são executados automaticamente assim que o Windows é iniciado. É um incômodo fácil de resolver: clique na opção Gerenciar Inicialização e desmarque os itens que não possuem necessidade de serem executados automaticamente. Se antes você podia tomar um café enquanto o computador era ligado, agora não terá tempo nem de sair da frente dele!

Otimização da memória

Trata-se da otimização do funcionamento do sistema a curto prazo, ou seja, os resultados são percebidos de imediato. Esse recurso é essencial para quem utiliza o PC por muito tempo ininterruptamente e imprescindível para quem possui pouca memória RAM. Neste item, o Glary Utilities simplesmente reorganiza os dados na memória de modo eficiente para facilitar o acesso a eles pelo sistema. Além disso, elimina os “restos” de dados encontrados, aumentando a quantidade de memória RAM disponível.

Menu Contexto

Essa é uma opção original, dificilmente encontrada em softwares da mesma categoria. No item Gerenciar Menus de Contexto, você gerencia os itens que deseja apresentar nos menus de contexto do Windows. Não sabe o que é um menu de contexto? Pois bem, menu de contexto é aquela lista de opções exibida depois que você clica com o botão direito do mouse sobre um arquivo, pasta, atalho etc. As opções padrões do sistema não podem ser alteradas, apenas as adicionadas por outros programas são exibidas para modificações.

Desfragmentador próprio

A opção para Desfragmentação de Disco está disponível na nova versão do glary Utilities. Ela é indicada para quem já cansou da lentidão do desfragmentador padrão do Windows.

Privacidade e segurança

Já que você está limpando o computador, por que não aproveitar para apagar também dados pessoais registrados no sistema? Este recurso serve mais para fins de administração do sistema, um adicional para você deixar a sua máquina em perfeito estado.

Eliminando vestígios

É muito comum o compartilhamento de um mesmo computador entre várias pessoas e não há problema algum nisso, a não ser que duas ou mais pessoas decidam utilizá-lo no mesmo instante. Com isso, é essencial que cada usuário preserve as suas informações pessoais, do contrário, o sistema ficaria uma bagunça e eles estariam suscetíveis a invasões de privacidade.

No item Eliminar Rastros, o Glary Utilities possibilita que você apague todos os seus rastros do computador rapidamente. A quantidade de opções é vasta, entre elas estão: históricos, cookies, programas acessados e muito mais.

Deletando de verdade

Algumas vezes, por um motivo qualquer, precisamos apagar um arquivo definitivamente do computador, tornando impossível a recuperação dele por softwares especializados. Para isso, o programa oferece a opção File Shredder, onde você pode apagar arquivos e pastas para sempre do computador, sem chances de recuperá-los novamente.

Recuperando o que foi perdido

Assim como você pode apagar dados definitivamente, existe uma nova opção chamada File Undelete. Com ela, é possível recuperar arquivos que foram apagados acidentalmente.

Codifique seus arquivos

Há algo muito importante a preservar no computador, mas que não pode ser acessado por outra pessoa? Então codifique o arquivo de maneira que só você possa acessar o conteúdo dele. Em Criptografar e Descriptografar Arquivos, é possível criptografar qualquer arquivo rapidamente com o uso de senha, a qual deve ser utilizada na hora de efetuar a operação inversa. Simples, porém muito eficaz.

Arquivos e diretórios

Essa seção serve para gerenciar e organizar os arquivos e pastas existentes no computador. Com o Glary Utilities, você possui uma forma prática de manter o controle sobre todo o conteúdo do sistema.

Análise de disco

Como o próprio nome sugere, esse recurso analisa o disco rígido para lhe informar sobre como ele está ocupado. Percentagem de arquivos de um determinado formato, quantidade de arquivos e espaço ocupado por pastas específicas são algumas dos dados que você terá após a análise.

Arquivos duplicados

Uma ferramenta muito útil para encontrar e remover arquivos repetidos desnecessariamente. Tome muito cuidado, pois alguns arquivos precisam ter cópias instaladas em pastas diferentes para que os programas que os originaram funcionem corretamente. Portanto, só remova se estiver certo de que o arquivo em questão é desnecessário.

Pastas vazias

Em Descobrir Pastas Vazias, o programa localiza e apaga todas as pastas vazias do sistema. Já que pastas vazias não ocupam espaço, esta função serve apenas para fins de organização.

Dividindo arquivos

Outra função adicional — Dividir e Unir Arquivos, com a finalidade de dividir arquivos relativamente grandes em partes menores. Além de permitir a personalização do tamanho dos “pedaços”, há também valores predefinidos para facilitar o seu trabalho, como o tamanho de um CD, DVD etc. Para reunir as partes, posteriormente, basta acessar a aba Join file no topo da tela.

Ferramentas do sistema

Essa é uma área um pouco mais avançada do programa, recomendada para quem entende do assunto. Nela, você pode gerenciar todos os processos em execução no computador — Gerenciador de Processos — e acessar rapidamente as ferramentas padrão do Windows — Ferramentas do Windows —, tais como desfragmentador de disco e restauração do sistema.

Reconfigure o Internet Explorer

A opção Assistente do Internet Explorer é um pequeno adicional do Glary Utilities para ajustar itens mais avançados do navegador Internet Explorer.Nela você define desde as configurações dos plugins instalados nele atéas páginas a serem acessadas nas situações de um erro ou qualquer outrocaso específico do navegador. Usuários mais avançados podem livrar-sefacilmente de hijacks com este recurso.

MANUTENÇÃO COMPLETA

O Glary Utilities dá um show em seus concorrentes! Sua vasta quantidade de ferramentas permite deixar o computador impecável com apenas um software, rapidamente e de modo eficiente. Baixe agora e comprove, ou vai dizer que está contente com a lentidão do seu sistema?

SIGNATURE

Enviar por Email

Tutorial do Dia – Transfira suas coisas do XP ou do Vista para o Windows 7

Descubra como transferir arquivos, usuários e configurações do seu SO antigo para o novo!   

Você decidiu migrar para o Windows 7, mas ainda não sabe como transferir os seus arquivos do Sistema Operacional antigo para o novo? Pois aqui você descobrirá como fazê-lo de maneira simples, utilizando-se de um recurso do próprio Windows 7!

Neste artigo abordaremos a transferência tanto a partir do Windows XP quanto do Vista, porém em ambos será possível utilizar o programa Transferência Fácil do Windows. No Windows Vista, além desse programa, também ensinaremos como fazer tal transferência de modo manual, para o caso de o meio simples não funcionar. Transferência Fácil do WindowsDiferente do Windows 7 e Vista, nos quais o Transferência Fácil do Windows faz parte do SO, o Windows XP requer a instalação do programa para possibilitar a transferência. Para baixá-lo, basta clicar aqui.

Windows XP

Instalado o programa, execute-o e, na janela aberta, clique em “Avançar” (caso não haja atalho na Área de Trabalho, procure-o no Menu Iniciar). A tela seguinte mostrará três opções de transferência: “Um cabo de Transferência Fácil”, “Uma rede” e “Um disco rígido externo ou unidade flash USB”. A primeira requer um cabo específico, o qual deve ser adquirido à parte; a segunda possibilita a transferência de um computador para o outro através de uma rede; já com a terceira você pode colocar os seus arquivos em um pendrive ou HD externo. 

Opções principais 

Ao escolher a segunda opção, você deve definir o seu computador como sendo o “Antigo”. Enfim, copie em um papel o código dado pelo programa (você o usará para conectar um computador ao outro através do Transferência Fácil do Windows). No computador com o Windows 7, abra o Menu Iniciar e digite “trans” para que a opção “Transferência Fácil do Windows” apareça. Siga o mesmo caminho seguido no XP, porém selecione o computador atual como sendo o “Novo”. Na tela seguinte, escolha a segunda opção, avance, e insira o código anotado para conectar ambos os computadores.

Conectados os PCs, clique em “Personalizar” para escolher quais pastas serão copiadas. Em “Opções Avançadas” você pode definir qual usuário terá seus arquivos copiados, assim como quais partições serão escaneadas por arquivos. Então, definido aquilo a ser transferido, clique em “Transferir” para copiar tudo. 

Seleção 

Findo o processo, você pode verificar quais arquivos foram copiados, assim como a lista de programas que não constam no seu Windows 7, mas que estão instalados no seu XP (só é possível visualizar, no caso de programas não há como transferir os já instalados de um SO para o outro).

Por sua vez, para salvar seus arquivos em um pendrive: inicie o programa desde a primeira tela, avance, clique sobre “Um disco rígido externo ou unidade flash USB”, defina o computador antigo, escolha quais arquivos serão transferidos, crie uma senha (opcional), navegue até onde você deseja salvar o “Arquivo de Transferência Fácil” e avance até ser possível fechar o programa. Para salvar esse arquivo de backup em um CD ou DVD, simplesmente utilize um programa com tal função e grave o arquivo criado pelo Transferência Fácil do Windows. 

 Gravando 

Windows Vista

Para acessar o Transferência Fácil de Windows em seu Vista, basta digitar “trans” no Menu Iniciar e executá-lo. Diferentemente do Windows 7, o Vista requer que quaisquer programas abertos sejam fechados enquanto ele estiver sendo executado. Portanto, feche tudo aquilo aberto antes de rodá-lo.

Uma vez aberto, avance, inicie uma nova transferência, defina o computador como antigo, escolha a segunda opção, clique em “Usar uma conexão de rede”, aprove a desativação do firewall, escolha “Não, eu preciso de uma chave”, copie o código gerado e insira-o no Windows 7 (da mesma forma feita no XP).

Para utilizar um pendrive como meio de backup, ao invés de escolher a opção “Transferir diretamente (…)”, escolha “Usar um CD, DVD ou outro tipo de mídia removível”. Em seguida, defina qual das três formas deseja usar e a unidade de destino, marque os usuários que terão os arquivos copiados (em “Opções avançadas” podem-se definir quais pastas serão copiadas) e espere a conclusão do processo.    

Seletor avançadoWindows 7, restaurando usuários salvos em pendrive

Aberto o programa, avance e escolha a opção “Um disco rígido externo ou unidade flash USB”, defina o computador novo, clique em “Sim” (mas antes conecte o pendrive ao computador), navegue pelo sistema até o local no qual foi salvo o arquivo de backup (extensão MIG), escolha os arquivos a serem copiados e clique em “Transferir”.

Windows Vista, o jeito “braçal” de fazer as coisas

O método manual é bastante simples. No Vista, utilizando uma conta de usuário diferente daquela que terá seus arquivos copiados, vá até “C:\Usuários” e entre na pasta referente ao usuário desejado. Agora, clique em “Organizar” e selecione “Opções de Pasta e Pesquisa”. Então, dentro da aba “Modo de Exibição”, procure por “Pastas e arquivos ocultos” e marque a opção “Mostrar pasta e arquivos ocultos”. Feito isso, atualize a pasta do usuário escolhido (aperte F5) e copie todo o conteúdo presente nela para um pendrive (ou grave-o em DVD).

Por fim, no seu computador com o Windows 7, crie um novo usuário e, utilizando uma conta diferente daquela recém-criada, cole o conteúdo copiado na pasta do usuário criado, substituindo tudo aquilo existente nela (menos a pasta “Máquinas Virtuais”, pois ela não existe originalmente no Vista). Em outras palavras, crie o usuário “Novo PC” e, sem sair da conta que o criou, cole os arquivos do usuário “Antigo PC” (do Vista), de forma que eles substituam os arquivos da pasta do usuário “Novo PC”.

Conseguiu migrar sem perder seus arquivos? Ainda resta alguma dúvida? Comente! 

 SIGNATURE

Enviar por Email

Tutorial do Dia – Como Alterar o Tamanho das Letras em Seu Navegador

Aprenda a aumentar e diminuir o tamanho das fontes dos sites acessados em seus navegadores.

Às vezes, enquanto navegamos na internet, acessamos sites cujo tamanho das fontes que compõem os textos daquela página dificultam muito a sua leitura.

Em outros casos, a fonte utilizada está em um tamanho normal, mas devido a algum problema de visão do usuário, sua leitura também fica prejudicada.

Para isso, diversos navegadores possuem a função zoom, que permite aproximar ou afastar o conteúdo da página, tornando-o maior ou menor, acabando por facilitar não só a leitura de textos como também a melhor visualização de imagens, por exemplo.

O Blog do Luguta dará dicas de como realizar estas alterações utilizando tanto a barra de ferramentas quanto atalhos, em quatro dos principais navegadores da internet. Internet Explorer, Mozilla Firefox, Opera e Google Chrome.

Internet Explorer

No Internet Explorer (em sua versão 7.0), existem duas possibilidade para se aumentar o tamanho do texto das páginas que você visualiza e a primeira delas é através do atalho do teclado. Basta que você segure a tecla Ctrl e então pressione a tecla + para aumentar e para diminuir a aproximação. Deste modo, você irá aproximar não somente o texto, mas também todas as imagens presentes e quadros presentes em determinada página.

Aumente o zoom no IE 7.0

A segunda opção permite que você aumente somente o tamanho dos textos escritos na página visitada. Para isso, pressione a tecla Alt para que a barra de ferramentas possa ser visualizada. Então, vá em Exibir > Tamanho da Fonte e escolha entre Muito Grande, Grande, Médio, Pequeno e Muito Pequeno.

Exibir > Tamanho da Fonte

É importante ressaltar que a funcionalidade deste recurso (de alterar somente o tamanho do texto) depende do tipo de construção do site. De qualquer modo, ela é possível na grande maioria das páginas na internet.

Mozilla Firefox

Do mesmo modo como acontece no IE, o Firefox também pode ter seu zoom aumentado ou diminuído através do atalho de teclado. Segure a tecla Ctrl e então pressione + para aumentar, para diminuir e 0 (zero) para que o nível de aproximação volte a 100 %.

Aumente o zoom no Firefox

Você ainda poderá fazer o mesmo processo através do caminho Exibir > Zoom. O Firefox possui ainda um recurso a mais, pois nele é possível habilitar a opção Somente do texto e então alterar o nível de aproximação somente do texto através do atalho do teclado.

Exibir > Zoom

Opera

O Opera tem funções iguais as do Firefox, com exceção da opção de aumentar somente o tamanho do texto. Utilize o atalho com as teclas Ctrl e + para aumentar, para diminuir e 0 (zero) para voltar ao nível normal de aproximação da página.

Aumente o zoom no Opera

Estas alterações também podem ser feitas através da barra de ferramentas. Para isso vá em Exibir > Zoom e então selecione um dos valores pré-definidos ou então clique em + 100%, – 100%, +10% ou – 10% para aumentar ou diminuir a porcentagem da aproximação.

Exibir > Zoom

Google Chrome

Por fim, o caçula dentre os quatro navegadores – Google Chrome – você também tem duas possibilidades para alterar o nível de aproximação das páginas que visita. Utilize as teclas Ctrl e + para aumentar, para diminuir e 0 (zero) para voltar o zoom ao normal.

Aumente o zoom no Chrome

Através da barra de ferramentas, você pode clicar em Controlar a página atual > Zoom e então escolha aumentar ou diminuir a aproximação de página visitada.

Controlar a página atual > Zoom

Espero tê-los ajudado com essas dicas. Até a próxima!

SIGNATURE

Enviar por Email

Tutorial do Dia – Como recuperar as músicas perdidas no seu iPod

Algo estranho aconteceu: você não tem acesso às músicas de seu iPod, mas sabe que elas estão lá. Aprenda o que é isso e como resolver o problema.

Desde seu lançamento, o iPod passou por várias versões diferentes. Atualmente, o iPhone faz as vezes de iPod, combinado com as utilidades de um smartphone. Mas, independente do modelo, o grande atrativo é a possibilidade de se carregar e ter consigo sempre a música que quiser.

A Apple sugere que o iPod funcione como uma versão portátil da sua biblioteca do iTunes e por isso oferece a opção de sincronizar ambos automaticamente. Porém, muita gente não faz isso e prefere simplesmente deixar todas as músicas no iPod ao invés de tê-las também no HD do computador. A final de contas, muitas vezes o iPod possui mais capacidade de armazenamento que um HD de computador.

A linha iPod classic tem capacidade para mais de 160GB de armazenamento

Isso pode ser muito bom, pois economiza espaço e evita você carregar arquivos que você já tem em outro lugar. Contudo, pode acontecer de dar algum problema com o iPod e ele precisar ser formatado e você perder todas as suas músicas. Isso pode não ser um problema para equipamentos com menor capacidade, como as versões Shuffle e Nano. Mas com a versão Classic, podendo chegar a mais de 120GB, perder todas essas músicas, filmes e o que mais houver, pode ser um problema.

Acontece que quando o iPod e, consequentemente o iTunes, não conseguem encontrar as músicas, não quer dizer que elas tenham sumido. A forma que esses dispositivos gerenciam os dados é que faz isso. Ao invés de ler música por música das milhares existentes dentro dele, ele lê um pequeno arquivo de banco de dados. Quando o iPod ou o iTunes não encontram as músicas, eles simplesmente não encontram o arquivo do Banco de Dados! Fique tranquilo, pois os arquivos ainda estão lá.

Como resolver o problema

O problema pode parecer mais grave do que ele é. Tudo o que precisa ser feito é montar novamente o arquivo de banco de dados. E a forma de se fazer isso é muito simples, porém trabalhosa.

O iPod organiza todas as músicas e arquivos colocados nele via iTunes em 50 pastas diferentes e renomeia todos com nomes aleatórios. Isso pode complicar um pouco o processo, mas não vai impedi-lo. Seguindo os passos a seguir, você vai recuperar seu banco de dados completo de antes do problema acontecer.

O iPod renomeia todos os arquivos de suas pastas.

          IMPORTANTE!         

Lembre-se de deixar seu iPod conectado durante todo o processo. Além disso, ele não pode estar configurado para sincronizar automaticamente.

Deixe seu iPod configurado para sincronização manual.

Siga os passos:

1. A primeira coisa a fazer é permitir acesso ao seu iPod pelo Explorer. Caso você ainda não tenha feito isso, veja este tutorial de como fazê-lo.

2. Depois é necessário permitir ao Explorer visualização de arquivos ocultos. Tanto o banco de dados quanto as músicas se encontram em pastas ocultas dentro do seu iPod. Para isso, no Explorer vá em Opções de Pasta, Configurações Avançadas e selecione “Permitir visualizar arquivos ocultos”.

Habilite temporariamente a opção de visualizar arquivos ocultos.

3. Agora você poderá acessar seu iPod e visualizar as pastas ocultas. Você deverá encontrar a pasta Volume:/iPod_name/iPod_Control/Music/, onde “Volume” é a letra atribuída ao aparelho e “iPod_name” o nome dado ao aparelho. Nessa pasta, você encontrará 50 pastas diferentes, nomeadas de F00 a F49. Todas as músicas são distribuídas e renomeadas aleatoriamente nessas pastas quando você as passa do seu PC para o iPod.

Encontre as pastas 50 pastas com os dados de seu iPod.
4. Abra seu iTunes. Como ele estará conectado e não encontrará o banco de dados, é capaz que você veja algum aviso para formatar seu iPod. Negue isso e use-o normalmente. Você verá que suas músicas são reconhecidas como dados no iTunes.

Visualização no iTunes de um iPod com banco de dados danificado.

5. Aqui começa a parte demorada do processo. Você deverá abrir cada uma das 50 pastas do seu iPod, selecionar o conteúdo de cada uma e arrastá-las diretamente para o ícone do iPod no seu iTunes. Dependendo da quantidade de arquivos, o iTunes pode demorar para reconhecer seu comando e pode demorar bastante até remontar todo o banco de dados.

 

Arraste o conteúdo das pastas F## direto para o iPod no iTunes.
Como esse processo é lento e o iPod é feito de partes delicadas, aconselha-se que você dê uma pausa depois de passar umas 20 pastas. Isso evita um superaquecimento do aparelho.

6. Depois de passar o conteúdo de todas as 50 pastas, o banco de dados estará refeito. Para proteger seu conteúdo, remova a opção de visualizar arquivos e pastas ocultas do Explorer.

Depois de pronto, você verá novamente suas músicas no iPod.

Seguindo essas dicas, você diminui as chances de problemas futuros com seu iPod.

Precauções para o Futuro

Depois de passar por esse problema, imagina-se que uma pessoa não vai querer passar por isso novamente. Então tome os seguintes cuidados:

  • Não abra o seu iTunes quando estiver mexendo no iPod com outro programa. O iTunes pode entrar em conflito e danificar o banco de dados.
  • Sempre ejetar o iPod ou desligar o computador antes de desconectá-lo.
  • Não abra ou brinque com os arquivos ocultos do iPod com o iTunes aberto. Isso pode danificar o banco de dados.

Essas dicas ajudaram? Conseguiu recuperar suas músicas perdidas? Deixe aqui seu comentário e ajude outros usuários com sua experiência!

SIGNATURE

Enviar por Email

Tutorial do Dia – Como usar seu iPod como disco removível

O seu iPod também pode funcionar como um disco removível para você transferir outros tipos de arquivos. Aprenda como habilitar este modo.

Além de músicas, vídeos e jogos, o seu iPod pode também guardar qualquer arquivo que você precise. Para isso o iPod tem o Disk Mode (Modo de Disco). Tudo que você precisa é de um iPod e do iTunes 7 ou superior.

Dependendo do modelo do tocador, ele funciona como um disco externo ou um drive removível do tipo Flash. Veja neste artigo como usar seu iPod para armazenar e transferir outros tipos de arquivo.

Conecte o iPod no computador. Se o iTunes não abrir automaticamente, execute-o. Selecione o ícone do iPod no painel à esquerda, em Dispositivos. Por padrão, Resumo é a aba exibida e é aqui que você faz o que precisa.

Acesse seu iPod para ativar o Modo de Disco.

Nos modelos nano, classic e mini

Na parte de baixo, em Opções, selecione Gerenciar músicas manualmente ou Ativar a utilização do disco.

Essas duas opções ativam o Modo de Disco.

Qualquer uma dessas opções vai permitir o uso do iPod como disco. Entenda a diferença: se você selecionar a primeira opção, o iTunes não vai sincronizar o tocador com a biblioteca automaticamente; para isso, é necessário escolher a segunda opção.

No modelo shuffle

Clique em Ativar a utilização do disco e use o nivelador para indicar quanto espaço você quer usar para arquivos de áudio e quanto deve ser usado para dados.

Copiando arquivos

O ícone do iPod aparece como um dispositivo removível no Windows Explorer. Clique e arraste arquivos normalmente para transferi-los.

Copie e transfira arquivos como em um drive removível.

Lembre-se de desconectar o iPod antes de retirar o cabo, da mesma maneira que é recomendado fazer com um pendrive, por exemplo.

Ativando o modo de disco sem o iTunes

Em modelos com anel de clique, pressione os botões Menu e Selecionar por 6 segundos. A logo da Apple vai aparecer. Neste momento, pressione os botões Menu e Play/Pause até que a tela de confirmação seja exibida.

Dicas

  • Quando o modo de disco está habilitado, o aviso Não desligar é exibido para lembrar você de ejetar o dispositivo corretamente.
  • Em modelos sem anel de clique, pressione os botões Play/Pause e Menu até a logo da Apple aparecer. Solte os botões neste momento e pressione agora Retornar e Avançar até que a tela de confirmação seja exibida. Tenha em mente que algumas configurações poderão ser perdidas com este procedimento.
  • Se você planeja usar o mesmo tocador em computadores diferentes, cuidado para não perder arquivos por causa da sincronia. Um iPod só pode ser sincronizado com uma biblioteca por vez. Atente para o aviso e tome a decisão correta.

Espero ter ajudado você. Até a próxima!

SIGNATURE

Enviar por Email

Tutorial do Dia – Como colocar um GIF animado no seu Twitter

Aprenda como personalizar e criar imagens animadas para colocar no seu avatar de uma das redes sociais mais quentes do ano!

O Twitter, a rede social de 140 caracteres, permite várias formas de personalização. Você pode criar panos de fundo ou alterar as cores da sua página. Porém, essas alterações serão visíveis somente para quem visitar seu endereço online. Muitas pessoas já acessam o Twitter via clientes e aplicativos e essas personalizações não são visíveis. O que se vê é somente o avatar, que também pode ser personalizado.

Entretanto, o Twitter só permite colocar imagens nos formatos JPEG ou PNG. Assim, você pode colocar imagens com boa qualidade (JPEG) ou com fundo transparente (PNG), mas não consegue colocar imagens animadas, no formato GIF.

Porém, descobrimos como colocar imagens animadas como avatar. Para isso, siga os seguintes passos:

Algumas dicas de como personalizar o seu Twitter.

1. A primeira coisa que você teria que fazer é preparar suas imagens para formar sua animação. Imagine sua imagem animada como uma apresentação de slides. Prepare ao menos duas imagens no formato JPEG e não mais do que quatro. Muitas imagens podem deixar a animação grande e não será possível de carregar no Twitter. Deixe suas imagens com 60×60. Você pode redimensionar o tamanho das suas imagens usando um dos seguintes programas:

2. Com suas imagens em mãos, agora você precisa transformá-las em um GIF animado. Existem vários programas gratuitos e alguns serviços online que permitem fazer as animações com facilidade, como:

Troque a extensão da imagem de GIF para PNG.

3. Ao terminar a edição de sua imagem GIF, salve-a em uma pasta de fácil acesso em seu computador. O truque verdadeiro começa aqui. Você precisa alterar a extensão de sua imagem para PNG, aceito pelo sistema do Twitter. Se, por exemplo, você salvou sua imagem como imagem.GIF, basta renomear para imagem.PNG.

3.1. Caso você não veja a extensão do arquivo no nome, você precisa acessar, em alguma janela do sistema, o menu Ferramenta, escolher a opção Opções de Pasta, ir à aba Modo de Exibição e desmarcar a opção “Ocultar as extensões de arquivos”. Fazendo isso, você consegue ver e modificar a extensão da sua imagem.

Se precisar, desmarque essa opção para alterar a extensão.

4. Com sua imagem agora no formato PNG, acesse sua conta no Twitter online. Vá à opção Settings, escolha a aba Picture e selecione sua imagem recém feita. Caso dê erro, repita esse passo ou verifique se sua animação de fato está no formato PNG.

Coloque sua nova imagem neste campo no seu Twitter.

Pronto! Seguindo esses passos, você poderá personalizar sua imagem em uma animação que será visível não só na sua página no Twitter, mas também em qualquer outro cliente que acesse imagens.

SIGNATURE

Enviar por Email